Entenda os motivos de 2019 ainda ser um bom ano para comprar um imóvel!

Entenda os motivos de 2019 ainda ser um bom ano para comprar um imóvel!

Mesmo que para alguns o ano de 2019 já está praticamente em seu fim, faltando pouco menos de 4 meses para a chegada de 2020, muitos que ainda almejam comprar o tão sonhando primeiro imóvel vem questionando se é melhor comprar neste ano ou esperar o próximo chegar. Mas, desde o final de 2018, especialistas já anunciavam: 2019 é sim um ótimo ano para comprar o seu imóvel!

Mesmo que o programa Minha Casa Minha Vida vem passando por algumas instabilidades e a taxa de desemprego esteja em alta, o ano realmente pode assustar e não ser propicio para muitos. Porém, o mercado de imóveis tem sido visto como favorável, principalmente por ter um alto número de proprietários dispostos a negociar, por apresentar preços estáveis e juros mais baixos nos financiamentos.

Segundo uma entrevista feita para o site Uol, o professor Alberto Ajzental, coordenador do curso de desenvolvimento de negócios imobiliários da Fundação Getúlio Vargas, diz que “É um bom momento para quem está com uma situação de renda familiar estável e pode se programar para o longo prazo. Mas a compra de um imóvel não pode ser decidida apenas com base em uma janela de oportunidade. Não podemos nos esquecer que a economia do país continua ruim. Os salários estão mais baixos e ainda há mais de 13 milhões de desempregados. Se você conseguiu ficar dentro do barco e ele parou de afundar, então talvez você possa pensar na compra de um imóvel”.

É preciso se planejar

Mesmo que o mercado esteja positivo e numericamente as médias históricas revelem a menor taxa de juros em anos, comprar um imóvel não é uma decisão que tem de ser tomada por desespero ou sem muita reflexão. É necessário analisar a sua vida financeira, pontuando se realmente é o momento certo para entrar em uma dívida que é de longo prazo, muitas vezes chegando até 30 anos. Por isso, se houver possibilidade, o ideal é juntar um valor significativo para conseguir dar uma entrada maior e poder optar pela maior parcela possível, pois assim o tempo de parcelamento será menor. Além de se ter bastante noção das condições de financiamento oferecidas pelos bancos, saber que é possível financiar até 80% do valor do imóvel e que as parcelas comprometem até 30% da renda do comprador ou da sua família.

Preços estáveis

Uma das vantagens mais claras é de que os preços dos imóveis não andam tendo uma reação significativa ao aumento da procura, se mantendo estáveis há praticamente dois anos. Principalmente no mercado de imóveis usados, onde os vendedores se veem mais dispostos a conceder desconto para não ter um imóvel parado e sem nenhum tipo de lucro. Assim, a média de desconto muitas vezes pode chegar aos 12%, variando de região para região e de caso para caso.

Por conta do boom imobiliário que ocorreu entre 2012 e 2013, e também pela crise econômica que se instalou no país nos últimos anos, provocou-se uma retração do mercado. Agora, entre uma crise e outra, ainda sim vemos um cenário mais saudável, onde há preços mais realistas sendo oferecidos.

Taxa de juros Selic

A taxa SELIC é uma das maiores influenciadoras no financiamento de imóveis, sendo responsável pela taxa básica de juros aplicados nas operações de créditos e controlando os financiamentos de imóveis. Com a promessa do Banco Central de que a taxa SELIC tem previsão para se manter no patamar de 6,5% até o fim do ano, o comprador tem mais segurança para investir no sonho da casa própria. Pois quando está em baixa, a tal taxa diminui os juros aplicados em financiamentos, criando a situação ideal para fazer investimentos rentáveis e seguros a longo prazo.

IPCA

No último dia 20 de agosto, a Caixa Econômica Federal anunciou uma nova modalidade de crédito imobiliário, onde é atrelado ao índice de inflação IPCA – Um índice desenvolvido para medir a variação de preços do mercado para o consumidor final. A linha de crédito foi desenvolvida com a intenção de atrair os compradores e aquecer o mercado imobiliário, visto que neste tipo de financiamento habitacional traz juros mais baixos em relação ao modelo tradicional, valendo para imóveis novos e usados.

Em um rápido resumo, no fechamento de contrato, uma parcela é fixa e a outra variável, as duas juntas formam a taxa de juros do seu financiamento. Essa parcela variável é atrelada ao IPCA, e a parcela fixa depende de algumas condições. Com a nova linha de crédito de financiamento imobiliário da CEF, os valores do MCMV podem ficar menos atrativos em relação ao novo cálculo. Mesmo que está nova linha de crédito tenha trazido opiniões polarizadas entres os mais conceituados especialistas, para o mercado é uma ótima medida de incentivar o setor.

LEIA MAIS: Entenda e compare a nova linha de crédito baseada no IPCA!

2020 pode não ser um bom ano

Entre todos esses pontos positivos, o mais negativo com certeza é a previsão nada boa para o ano que vem, principalmente para o programa MCMV. Isso porque ele já vem sofrendo alguns altos e baixos e apresentado um futuro muito nebuloso, ainda mais depois de certas previsões de mudanças e por estar sofrendo uma das maiores tesouradas em todos os seus anos de existência. Uma das piores previsões para o ano de 2020, que já vem ocorrendo em partes em 2019, é de que o governo irá procurar diferentes medidas de reduzir despesas, sendo uma delas a suspensão de contratações novas no MCMV.

LEIA MAIS: Minha Casa Minha Vida sofrerá mais ainda no ano de 2020?

Aluguel nunca é um investimento

Como sempre falamos por aqui, não tem época melhor para sair do aluguel do que agora. Isto porque aluguel nunca é uma forma de investimento, afinal, esse dinheiro que você luta toda mês para conquistar, vai embora para pagar o dono do imóvel, este que a qualquer momento pode quebrar o contrato ou não desejar renová-lo, lhe deixando em um aperto. Por isso, independente do momento, o valor que você paga de aluguel com certeza estará melhor aplicado em parcelas de compra de um imóvel, já que o imóvel é sim um investimento, pois o dinheiro investido lhe trará um espaço seu como resultado, este que você também pode até utilizar como renda futuramente.

LEIA MAIS: 6 motivos para sair do aluguel imediatamente!

Portanto, podemos perceber que entre trancos e barrancos, o ano de 2019 segue sim sendo um bom momento para investir em seu primeiro imóvel. Por isso, se você está interessado(a) ou já está em busca do seu imóvel, entre em contato agora com os nossos especialistas, via WhatsApp, (41) 98803.6166, ou clicando aqui!

 #nostemosseuprimeiroimovel